Namoro dominar

eu gostaria de saber se pode ser mais prazeroso meu homem me dominando junto com minha namorada ou se pode ser mais prazeroso se minha namorada e meu namorado me dominarem. estou com vergonha de tocar nesse assunto tão diretamente com eles sem nem saber o que pode ser mais gostoso e confortável para nós 3... A boa noticia é que é totalmente possível você aprender o que é necessário para namorar e ainda sim fazer com que ela te peça em namoro, basta mudar características simples da sua personalidade. Talvez você possa pensar que é algo complicado de se dominar e na verdade é bem simples. Como Dominar um Homem. Conquiste e domine um homem cultivando a si própria. Saltar para o conteúdo. ... Pri, aconteceu algo horrível no meu namoro de quase 5 anos, nosso namoro sempre foi tranquilo, ele sempre foi carinhoso, paciente, eu quem às vezes era ignorante, mas neste sábado nós tivemos uma discussão por ciúme meu, havíamos ... Esse amor suicida me dominar. Mais guanto mais me afasto. Mais esse amor suicida consegui me dominar. - Ho amor suicida pq não me liberte. É decha eu ir para longe de vc?. Deixe me ser Feliz. Pelo menos uma vez na vida. Deixe me ser Feliz e esquecer de vc. O Amor suicida é so isso que te peço. Antes que eu desista dessa vida, Que eu não ... Eu me apaixonei. Em meio a sorrisos, olhares, risos, abraços e conversas. Em noites com o celular na mão, na espera de uma mensagem e na espera de algum sinal. Em meio a multidões, pessoas andando, algumas te olhando e mesmo assim, eu me apaixonei. Eu te desejei. Em meio a beijos, amassos ... Posts about namoro written by comodominarumhomem. Meninas! A pedidos de algumas leitoras, vou escrever um pouquinho sobre aquele tipo de homem “pão-duro” que a maioria das mulheres detesta. Com o objetivo de controlar, dominar e ter mais poder do que a outra pessoa envolvida na relação. Hoje, sabemos que a violência no namoro é um importante preditor da violência conjugal e que quem sofre agressões nesta fase de enamoramento certamente irá ser agressor(a) ou vítima no futuro. É por isso que nós estamos trazendo a você truques saudáveis de relacionamento que podem transformar seu namoro. Esses truques de amor não podem ser vistos como soluções rápidas. As perspectivas que nós compartilhamos são duradouras. Se você colocá-las em prática, seu relacionamento ficará mais forte do que nunca. Eu vou esperar por você, mesmo que demore.Já não suporto mais não poder te tocar, não poder te abraçar, não poder te beijar, não poder fazer carinho, não poder sentir teu perfume, não poder entrelaçar minhas mãos nas tuas, não poder cuidar de ti_ Não poder sentir a maciez da sua pele em minhas mãos, não poder ouvir o tom da sua voz… Dominar-se para, de fato, amar O relacionamento de duas pessoas, sejam amigos, namorados ou casados, tem a sua base no amor mútuo, que une os dois e os faz crescer. Sem isso, qualquer relacionamento cai no vazio.

Depressão/ansiedade/término/suicídio

2019.05.18 13:03 toukeny Depressão/ansiedade/término/suicídio

Bom dia galera
No começo de 2017 comecei a desenvolver um transtorno de ansiedade, mas até então era “leve” e achava que não era motivo de buscar ajuda.
Sempre fui o cara quietão com quem não tinha muita intimidade, mas o bobão da galera com quem eu era íntimo, era o cara que era o reflexo da “alegria”. Porém por dentro eu sempre fui triste, mas nunca deixava parecer isso pra ninguém. E sempre fui também o desapegado da galera, que pegava geral e não queria saber de namorar, enquanto geral sentia falta de uma namoradinha.
Começo de 2018 conheci uma garota, uma garota linda, que me despertou um interesse enorme. Fomos ficando sem compromisso por mais ou menos 4 ou 5 meses, até que começou a rolar sentimento entre ambas as partes. Sim, ela foi a ÚNICA que me fez querer ter um compromisso, que me fez sentir na necessidade de “ter” ela só pra mim. Pedi ela em namoro, ela aceitou... e já logo no primeiro mês os meus sintomas de ansiedade se intensificaram muito, mas eu achava que ainda dava pra empurrar com a barriga sem precisar de ajuda.
Foi assim durante uns 4 meses, depois disso a ansiedade começou a me dominar literalmente, eram inseguranças atrás de inseguranças, auto estima baixíssima, paranóias, crises, ciúmes e etc. minha namorada vivia me dizendo pra procurar ajuda, e eu ainda achava que dava pra sair dessa sozinho.
Lá pelo sexto mês, minha ansiedade piorou, e veio os sintomas depressivos, ela começou a se sentir muito sufocada, pressionada, e abriu o jogo comigo, disse tudo que tava sentindo, e insistia pra eu procurar um profissional.
Esperei mais 1 mês, e cada dia que passava meus sintomas pioravam, eu já tinha perdido o controle da vida, então eu decidi finalmente procurar ajuda, só que foi pelo SUS, porque minhas condições financeiras são baixas. E como eu já imaginava, demorou um pouco pra consulta com o psicólogo/psiquiatra sair. E aí a minha namorada simplesmente decidiu terminar comigo, disse que não tava aguentando mais, tava se sentindo muito sufocada e tudo mais.
O meu mundo DESABOU na hora, fiquei sem reação, pra mim a vida tinha acabado naquele momento. Eu tinha me agarrado nela de uma forma surreal, depositei todo o meu resto de felicidade naquela mulher, é o que chamam por aí de dependência emocional né.
Já se passaram 2 meses do término, e eu ainda não superei nada, cada dia eu pioro, tô de fato me afundando em depressão, pensamentos suicidas me atormentam todos os dias, a vida perdeu a graça, não vejo sentido em mais nada. Eu idealizo o meu suicídio todos os dias.
Agora estou me tratando com terapia e medicamentos, mas de nada tá adiantando.
Obs.: eu e a minha ex decidimos continuar conversando depois de terminar, mas de 2 semanas pra cá ela começou a achar que isso tá me fazendo mal, e do nada começou a me tratar diferente, meio que me dando um gelo. E isso tá me deixando muito mal, eu ainda corro atrás dela demais, ainda acho que um dia vamos voltar. Ela já me disse que agora ela não pensa em volta, mas que ainda me ama e não sabe qual vai ser do futuro.
Eu já não sei mais o que fazer, me ajudem
submitted by toukeny to desabafos [link] [comments]


2019.03.17 23:30 desabafo123 Como a dependência emocional afetou meu relacionamento

A ideia do meu post é compartilhar como meu relacionamento se desenvolveu e algumas situações que marcaram ele. Não é a intenção necessariamente obter aconselhamento de “o que devo fazer? ”, apesar de que estes serão bem-vindos assim como relato de vocês sobre situações semelhantes. O post é longo pois descreve alguns aspectos que considero importante na compreensão de como a dependência e carência emocional, neste caso unilateral, podem dominar uma relação. A conta é throwaway.
Tenho 27 anos e quase que “sempre namorei”, é assim que os que me conhecem me descrevem. Desde os 18 anos tive 4 namoradas que duraram de 1 a 3 anos. A cerca de 3 anos atrás tive meu maior período solteiro, 1 ano e alguns meses e fui genuinamente feliz nesta fase ainda que no fundo estava afim de encontrar aquela pessoa.
Eu tinha então 25 anos e em uma das muitas noites saindo com os amigos conheci ela, com então 18 anos. Percebi que era alguém que tinha vontade de sair mais vezes, e assim fizemos. Um encontro, depois outro, um final de semana juntos, conheceu meus amigos, inclui ela no meu grupo de amigos, conheceu minha família. Avançando alguns meses e descrevendo nosso namoro em velocidade cruzeiro: Nos víamos quarta à noite e no final de semana (de sexta à noite até domingo à noite), quando ela dormia em casa e passávamos 48h juntos.
O tempo que passávamos juntos presencialmente era praticamente perfeito, fazíamos muitas atividades juntos. Eu sempre procurava algo diferente para fazer, fosse algum passeio, alguma atividade, algum barzinho ou balada nova (adorávamos sair beber juntos, curtir, dançar, se pegar, voltar pra casa meio bêbado e continuar se pegando até dormir), e bastante viagens para o interior ou litoral, sempre ficando em algum hotel ou pousada aproveitando o dia e terminando com jantar romântico, fizemos cerca de 10 destas. Sexo muito bom e fazíamos muito.
Uma dinâmica diferente, porém, acontecia quando estávamos separados, cada um em sua casa. Ela se tornava emotiva, carente e por vezes isso parecia deixa-la ansiosa e ter atitudes grosseiras. Procurava razão nos detalhes para justificar que eu “não amava ela”, “não a tratava como prioridade” e era uma pessoa fria. Essa situação se agravou conforme passava os meses de relacionamento.
As razões que justificavam eu “não amar ela” eram por exemplo: demorar para ver e responder mensagem de whatsapp, esquecer de dar bom dia ou boa noite (o que acontecia se eu tinha uma manhã corrida ou dormia sem querer por estar cansado), eu não aceitar ter que reportar para ela diariamente com quais pessoas da empresa fui almoçar ou precisamente que horas havia saído do trabalho (dizia para ela que estava sendo controladora e possessiva, ela que o mínimo que espera de um namorado é que ele de satisfação).
Era comum, cerca de quase toda semana ela vir discutir por alguma situação desse tipo, dizer que passou o dia chorando, pensava em mim o dia todo e que eu estava nem aí. “Sinto como se eu não tivesse um namorado” ela dizia. Eu realmente havia estado nem aí só porque ela mandou uma mensagem bastante grosseira porque eu dei “bom dia” as 10:30 ao invés de as 9h. Eu pensava que era só um enorme drama por nada e não deixava isso abalar meu dia de trabalho, ela, no entanto passava o dia chorando e me ligava a noite dizendo como que eu poderia amá-la e simplesmente não se importar em quão mal ela estava.
Nossa rotina talvez venha a ser bastante relevante neste contexto. Eu trabalho de 10h a 12h por dia, meu trabalho é dinâmico e inclui reuniões diárias, internas e externas, relacionamento profissional com diversas pessoas e empresas. Moro sozinho fazem 2 anos e sou totalmente independente financeiramente sendo responsável pelo controle de gastos, alocação de investimentos e aperfeiçoamento profissional de forma a vir ganhar mais no futuro. Tenho um grupo de amigos próximos que nos encontramos toda semana. Por não morar mais com meus pais, costumo visita-los uma noite por semana. Também gosto de ter um pouco de tempo sozinho, fazendo outras atividades não produtivas. Ainda assim, se eu observar a semana como um bloco de várias horas, eliminar as horas que estou dormindo e no trabalho, eu passava 75% do tempo com ela, ajeitando nos 25% restantes todas estas outras atividades.
Ela faz faculdade de manhã e vai na academia a tarde, apenas isso. Sobre a faculdade vale ressaltar que quando a conheci no final de 2017 ela fazia um curso, em 2018 resolveu mudar para outro e em 2019 decidiu que faria outro, em uma área e faculdade diferente desta vez. No período de férias ela só vai na academia.
Ela não tinha amigos. Zero. Quando a conheci ela estava junto com uma amiga e pareciam bastante próximas. Em cerca de um mês ela se afastou desta amiga e desde então nunca ouvi dizer algo como “vou visitar fulana”, “fulana me convidou para jantar”, “vou no aniversário de fulano” etc. Não sei o nome de nenhum amigo dela porque nunca ouvi falar da existência de algum.
Até mesmo da família dela se afastou, eles eram uma equipe de esporte juntos e participavam de alguns campeonatos. Logo que nos conhecemos ela abiu mão de ir na próxima etapa e tiveram que a substituí-la. Ela inclusive não me dizia sobre alguns eventos que a família dela nos convidava, algum tempo depois eles começaram a me chamar diretamente e justificativa dela para não querer ir era que “o final de semana era nosso tempo de ficar juntos”.
Diante destas situações e mesmo envolvido no relacionamento percebia que algumas coisas não estavam certas. Minha atitude era motivá-la a sair, conhecer novas pessoas, buscar novos hobbies, buscar desenvolvimento acadêmico/profissional para no futuro ter um estágio legal, etc. Esta minha postura foi inclusive mal percebida. Segundo ela, enquanto ela estava lutando pelo casal, para ficar mais juntos, eu estava lutando para que ela achasse distrações e nos afastasse, e ainda, que a ausência de ciúmes da minha parte fazia parecer que eu não a amava.
A essa altura é possível se perguntar porque eu aguentava isso. O que acontecia é que eu dava pouca importância as crises e carências exageradas, me distraindo com as outras responsabilidades da vida. Ao mesmo tempo eu dava bastante importância ao tempo que passávamos juntos no final de semana, que era de bastante proximidade e atividades legais. Achava também que eu mantendo essa postura de não entregar atenção quando vinha com crises e grosserias, e incentivá-la para assumir novas responsabilidades na vida a situação tenderia a melhorar. Mas aconteceu justamente o contrário, e com o avançar da relação ela buscava justificativas ainda mais estranhas para dizer que eu “não amava ela”.
1 ano e meio de relação e ela pede para conversar, vem até minha casa e diz que quer terminar. As justificativas como pode imaginar são “eu nunca senti que você me ama”, “me sinto sozinha durante a semana e você parece não se importar”, “nunca ganhei flores ou presentes fora de época”, “você não posta fotos nossas ou declarações de amor públicas” e por fim “não posso mais perder tempo com alguém que não me ama, preciso estar com alguém que me ama de verdade”.
2 semanas depois estava postando fotos com outro cara. Declarações de “como sou feliz de conhecer alguém que me ame de verdade” e postando um buque de flores que havia ganhado dele.
Procurou inclusive uma amiga minha que eu apresentei a ela para dizer como estava feliz no novo namoro, como ele era perfeito e dava toda a atenção que eu não dava. Que ele assume ela (assumir no contexto dela é postar coisas em rede social). Que não sabia como aguentou tanto tempo se dedicando para uma pessoa que não a tratava como prioridade. Que o fato de eu não correr atrás dela após o término simbolizada a minha ausência de sentimento.
Já passou uns meses e estou bem resolvido com essa situação, sigo a vida normalmente. No entanto passei um bom tempo intrigado com o que aconteceu, pesquisando e refletindo. Hoje levo comigo a conclusão que o que ela experimentou não foi amor de verdade, certamente não um amor maduro e que direciona ambos para o crescimento pessoal e conjunto. Eu apenas supria a dependência e carência emocional dela.
Com o tempo ela precisou de doses ainda maiores de atenção para se sentir satisfeita e preencher o vazio que ela mesma criou, e na iminência de prejudicar outros aspectos da minha vida eu restringia a apenas o que eu citei, trocas de mensagens diárias e finais de semana incríveis, respeitando minha individualidade nos momentos que eu precisava. Bastou então surgir outra pessoa despejando atenção para fazer mais sentido sob o ponto de vista dela transferir o foco de atenção e carência para alguém que “a ama de verdade”.
submitted by desabafo123 to desabafos [link] [comments]


2019.03.06 04:07 PredOwO A ASCENSÃO BÍBLICA A NOS ILUMINAR no Discord


OLÁ, IRMÃOS!
Devem estar SATURADOS de entrarem em servidores fúteis ou cuja pressão social lhe deixem desconfortáveis. Devem estarem cansados de entrarem em servidores de youtubers e não conseguirem dialogar de um jeito confortável, devem estarem tristes por entrarem em servidores de namoro virtual e se sentirem rejeitados por todos, PORÉM SE LEMBREM, DEUS, CUJO ESTÁ NO TOPO DE TODOS, AMA TODOS, independente de quem ser. Não ame para não ser amado, Deus te amará do seu jeitinho, não se sinta inseguro em uma situações sociais, Deus estará do seu lado para dar suporte, em um servidor onde uma pessoa não governa tudo viverá em paz, ame deus e ele te amará.
ENTÃO, IRMÃOS, ENTREM NESTE SERVIDOR E QUE A PAZ REINE ENTRE NÓS MORTAIS!
Servidor>>> https://discord.gg/eeG9Esq
E VAMOS DOMINAR TODA A POPULAÇÃO VIRTUAL!
submitted by PredOwO to brasilivre [link] [comments]


Eu estou louca para ser dominada e namoro com um casal ...